Veja: Desabafo de Abel contra dirigentes do Flamengo ‘O que não suporto é traição’

Jamais vou esquecer esse grupo, competitivo e dedicado ao extremo. São homens de caráter, prontos para conquistar grandes títulos esse ano, esse grupo é bom demais, só lamento por isso; não aceito traíragem.

“Jamais vou esquecer esse grupo, competitivo e dedicado ao extremo. São homens de caráter, prontos para conquistar grandes títulos esse ano. Sempre soube que eles dariam a resposta em campo. Foi uma despedida emocionante. Quero aproveitar para agradecer em público a cada um deles, além de cada integrante da comissão técnica e funcionários. E também a grande Nação de torcedores. Na vida, seja na minha carreira de jogador ou de treinador, sempre estive preparado para as grandes pressões e os grandes momentos. Sempre me dei bem com isso. E me habituei a encarar esses desafios de cabeça erguida. Mas jamais estive preparado para covardias e articulações. O que não suporto é traição. Eu me senti sem respaldo, isolado em certo momento. O que posso afirmar é que o Flamengo é muito maior do que tudo isso. O clube vai brilhar por tudo que plantou nesses últimos anos, por esse terreno fértil, por sua grandeza.”

“Trabalhei em Portugal e até hoje conheço gente lá. Me disseram que houve o contato. Liguei, então, pro Landim e pro Bap e lhes perguntei se de fato isso tinha acontecido. Negaram. Voltei às minhas fontes e tive a confirmação de que gente do Flamengo, sim, estivera com o Jesus. Aí, não dá mais, acabou a confiança. Esse grupo é bom demais. Só lamento por isso. Não aceito trairagem. Agora mesmo soube que o Landim disse, na entrevista, que eu sai por problema pessoal. Mais uma mentira! Apoio e respaldo zero foi o que tive! O Flamengo é o máximo. Mas as pessoas que o dirigem, infelizmente, não.”

Fonte: Redação/ Arquivos da internet

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here